sexta-feira, março 18, 2011

Um bom artigo para discutir e pensar, mas atenção não é uma Bíblia!

A educação não é a chave do sucesso económico
por Paul Krugman, Publicado em 11 de Março de 2011

Os empregos eliminados pelos computadores não são os manuais, mas os que envolvem rotinas. Estudar, como ter assistência médica, é um direito, mas não resolve o problema do desemprego
A ideia de que a educação é a chave do sucesso económico é aceite por toda a gente; todos concordam que os empregos do futuro vão exigir um maior grau de qualificação. Foi por isso que, numa aparição pública na última sexta-feira com o antigo governador da Florida Jeb Bush, o presidente Barack Obama declarou que, "se quisermos melhores notícias na frente do emprego, temos de investir mais na educação".

Só que toda a gente está enganada.

No dia a seguir ao do evento Obama-Bush, o "The Times" publicou um artigo acerca do uso crescente de software em pesquisas de natureza jurídica. Acontece que os computadores podem analisar rapidamente milhares de documentos, desempenhando por um custo baixíssimo uma tarefa que antigamente exigia verdadeiros exércitos de advogados.

A investigação jurídica não é um exemplo isolado. Como o artigo indica, o software também está a substituir os engenheiros em tarefas como a concepção de novos chips. De uma maneira mais geral, a ideia de que a tecnologia moderna elimina apenas empregos pouco qualificados, de que as pessoas com formação académica sofisticada não têm nada com que se preocupar, pode dominar a imprensa popular mas é claramente anacrónica - várias décadas.

A realidade é que desde o início dos anos 90, mais ou menos, o mercado de trabalho dos Estados Unidos se tem caracterizado não por um aumento generalizado de competências, mas por um fenómeno diferente: tanto os empregos muito bem como muito mal pagos têm crescido imensamente, mas não os de remuneração média - aqueles com que contamos para alimentar uma classe média forte -, que têm ficado claramente para trás. E o fosso está a alargar-se: muitas das ocupações que cresceram de forma rápida nos anos 90 têm crescido de forma mais lenta nos últimos anos, ao mesmo tempo que o emprego mal pago e pouco qualificado tem aumentado.

Por que razão está isto a acontecer? A ideia de que a formação académica se está a tornar cada vez mais importante assenta na noção aparentemente razoável de que os avanços da tecnologia aumentam as oportunidades de emprego para aqueles que trabalham com informação - em sentido lato, que os computadores favorecem aqueles que trabalham com a mente, prejudicando os que fazem trabalho manual.

No entanto, há alguns anos, os economistas David Autor, Frank Levy e Richard Murnane defenderam que esta maneira de encarar o assunto está errada. Os computadores, dizem, são excelentes em tarefas de rotina, "de tipo cognitivo ou manual, que possam ser executadas seguindo regras explícitas". Assim, qualquer tarefa de rotina - uma categoria de que fazem parte muitos trabalhos não manuais - está na linha de fogo. Pelo contrário, qualquer trabalho que não possa ser executado seguindo regras explícitas - uma categoria que inclui muitos tipos de trabalho manual, de camionista a empregado da limpeza - vai tender a crescer com o progresso tecnológico.

E é aqui que bate o ponto. A maior parte do trabalho manual que ainda não desapareceu na economia norte-americana é do tipo que é difícil de automatizar. Numa altura em que a força de trabalho em linhas de montagem nos Estados Unidos está reduzida a 6% da população activa, já não há muitos empregos deste tipo que possam ser eliminados. No entanto, muitos trabalhos de pessoas com formação e relativamente bem pagos podem vir a ser informatizados em breve. Os robôs domésticos são engraçados, mas os empregados domésticos ainda estão longe de passar à história; a investigação jurídica computorizada e o diagnóstico médico com ajuda computacional também já existem.

E depois há a globalização. Em tempos só os operários tinham de se preocupar com a concorrência dos operários de outros países, mas a combinação entre informática e telecomunicações tornou possível transferir muitos trabalhos para outros países. A pesquisa dos meus colegas da Universidade de Princeton Alan Blinder e Alan Krueger sugere que os trabalhos altamente qualificados e muito bem pagos são, em certo sentido, mais facilmente deslocalizáveis que os menos qualificados e mais mal pagos. Se eles tiverem razão, o crescimento do comércio internacional de serviços vai afectar ainda mais o mercado de trabalho norte-americano.

De que maneira é que isto afecta a educação nos Estados Unidos?

É um facto que temos um problema com a educação. O mais preocupante são as desigualdades à partida - as crianças inteligentes de famílias pobres têm menos probabilidades de concluir a faculdade que crianças muito menos inteligentes de meios mais ricos. Isto não só é escandaloso como representa um desperdício imenso do potencial humano do país.

Mesmo assim, há coisas que a educação não tem capacidade de fazer. A ideia de que mandar mais jovens para a universidade poderia recuperar a nossa classe média é pura fantasia. Se hoje já não se pode dizer que um curso universitário assegura um bom emprego, a cada nova década isso vai sendo mais evidente.

Assim, se quisermos uma sociedade em que a prosperidade é amplamente partilhada, a educação não é a resposta - teremos de construir essa sociedade directamente, pelas nossas mãos. Temos de devolver à força de trabalho o poder negocial que ele perdeu ao longo dos últimos 30 anos, de maneira que tanto um vulgar operário como uma superestrela possam exigir bons salários. Temos de garantir os direitos essenciais a todos os cidadãos, em especial o direito à saúde.

O que não podemos é chegar onde queremos distribuindo mais formação universitária a torto e a direito. Podemos estar apenas a vender bilhetes para empregos que já não existem, ou então que não asseguram salários de classe média.

Economista Nobel 2008

4 Comments:

Blogger Saude24 said...

Livro “Saude 24 horas” – guia de saúde para todos com soluções e dicas para mais de 100 problemas de saúde, Gripe, constipações, febre, tosse, garganta inflamada, colesterol, tiróide, diarreia, obstipação, queimaduras, bebés, grávidas, contracepção, menstruação, disfunção, entre outros. Plataforma de apoio www.saude24horas.net. Deplanobooks editora.

www.saude24.net agora em livro, livro Saude 24 horas, de Carlos Edgar

sexta-feira, março 18, 2011  
Blogger menvp said...

...Isto não só é escandaloso como representa um desperdício imenso do potencial humano do país...

Mais um escandaloso desbaratar de recursos humanos: falta de profissionais em determinadas áreas... e «Há 64 mil licenciados no desemprego em Portugal».




ANEXO:
A REGRA DOS 3 ORDENADOS MÍNIMOS

Por exemplo, é escandaloso existir falta de médicos em 'n' serviços públicos de saúde... de facto, oferecendo um salário de TRÊS ordenados mínimos... um serviço de saúde público, por exemplo, não deveria ter problemas em contratar um médico.
{Uma nota: Deveria-se recorrer ao know-how cubano... para avaliar qual o número de profissionais de saúde que será necessário formar para cumprir esta «regra dos três dos ordenados mínimos» (leia-se aumento da oferta... para a procura existente...)}.

Como é óbvio, a regra dos «3 ordenados mínimos» deve ser aplicada a outras profissões aonde existe oferta de serviço público.
Mais: a regra dos «3 ordenados mínimos» não é um tecto salarial (os melhores poderão ganhar muito mais que isso)... mas sim, um indicador de que tem-se de intensificar a formação profissional em determinadas áreas [e é um indicador de que não se pode ceder a determinados corporativismos - se os corporativistas se recusarem a formar pessoas... há que recorrer a formadores no estrangeiro: «não dês um peixe, ensina a pescar»].

sexta-feira, março 18, 2011  
Anonymous Anónimo said...

Formar no estrangeiro?
Onde em Cuba pelo que vejo do comentário?
Corporativismo o que é eu não sei, é chavão da esquerda ou espírito de corpo?
Falemos do que sabemos.
Sabemos?
Ora para formar um médico e depois um médico especialista é preciso equipas bem estruturadas, com chefias, com séniores habitualmente os mais velhos que sabem o que não vem nos livros e nas revistas ou nos cursos.
Aprende-se fazendo.
O que aconteceu nos últimos anos?
As chefias muitas foram substituidas por critérios políticos e logo gente incompetente ou com menos formação, começou a dar ordens a quem tinha mais experiência, portanto conteceu a decapitação de serviços inteiros, as pessoas fartaram-se foram embora, meteram o papel.
Foi o que aconteceu.
A medicina não é uma ciência é uma arte e quem não entende isto, não sabe nada.
Portanto o mal está feito e o que se passa é que os mais novos, não sabem ouvir os reparos de um maneira geral e depois acontece a desgraça, fazem uma vez mal sem saberem e continuam a laborar no erro até que acontece uma catástrofe, a um pobre doente, esta a cultura instalada.
Sobre os ordenados não sei de que fala...
Eu sei como se avalia o mérito e o mérito neste país, não tem a ver com mérito, tem a ver com cartão de partido e eu sou contra as oligarquias instaladas há anos na DGS, na ENSP e no MS.
Há sindicalistas que mandam mais que as pessoas que deveriam ser as orientadoras, há indivíduos de Associações Médicas que os não representam, como no caso da Clínica Geral e a Associação de Médicos de Clínica Geral.
A podridão espalhou-se como a onda negra do tsunami no Japão.

sexta-feira, março 18, 2011  
Blogger skeptikos said...

Nem mais, caro anónimo! E quem diz médicos diz também tantas outras profissões. A própria educação neste país não sofreu as reformas que há muito deveriam ter sido implementadas no sentido de formarmos jovens que o país precisa no futuro e não para o desemprego. Não tem havido nem vontade política nem perspicácia, apenas demasiada incompetência que nos rotula de "país com baixa produtividade" e sem competitividade e total subsídio-dependente. É evidente que quase todos os países (uns mais que outros) sofrem dos mesmos problemas, sobretudo porque nas últimas décadas se deu demasiado valor aos interesses das oligarquias e corporações, esquecendo-se tudo o mais que é bem mais importante. Padecemos sobretudo de auto estima e de uma visão alargada do que poderemos SER em vez de somente TER!

domingo, março 20, 2011  

Enviar um comentário

<< Home

Divulgue o seu blog!