quinta-feira, junho 30, 2005

Emídio Guerreiro.


A Emídio Guerreiro (No acto de agraciamento)
Lisboa 06 de Setembro de 1999


Ao condecorar, com a Grã Cruz da Ordem da Liberdade, Emídio Guerreiro, prestamos homenagem ao resistente corajoso, ao cidadão dedicado e ao político que devotou a sua vida à causa da democracia. Homem determinado, que nunca teve medo de ser incómodo e mesmo polémico, o Prof. Emídio Guerreiro recusou sempre as várias formas de conformismo e resignação, preferindo correr riscos e aventuras. Talvez, por isso, nos apareça, nos seus magníficos 100 anos, que hoje completa, como um símbolo da juventude de espírito que permanece para além da passagem dos anos.

Com um vigor, uma energia e uma disposição invejáveis, o Prof. Emídio Guerreiro é uma memória viva deste século e das suas vicissitudes, desilusões, esperanças e combates. A vida de Emídio Guerreiro é, verdadeiramente , uma vida de romance e nela ecoam os debates, os dramas, os desafios, os ideais, as lutas destes cem anos. A homenagem que lhe tributamos é penhor do nosso reconhecimento pelo seu combate frontal, continuado e corajoso, em defesa da Liberdade. Ao prestarmos esta homenagem neste dia de tão grande significado, desejamos a Emídio Guerreiro as maiores felicidades. Parabéns, Prof. Emídio Guerreiro, e obrigado pelo que fez para que Portugal fosse um país livre, de que nos orgulhamos.

Technetium

Technetium is a chemical element in the periodic table that has the symbol Tc and atomic number 43. The chemical properties of this silvery gray, radioactive, crystalline transition metal are intermediate between rhenium and manganese. Its short-lived isotope Tc-99m is used in nuclear medicine to diagnose certain cancers, Tc-99 is used as a gamma ray-free source of beta rays, and its pertechnate ion could find use as a corrosion preventer for steel (this possible use is hindered by technetium's radioactivity). Dmitri Mendeleev predicted many of the properties of element 43, which he called ekamanganese, well before its actual discovery. In 1937 its isotope Tc-97 became the first element to be artificially produced, hence its name (from the Greek technètos, meaning "artificial"). Most technetium produced on Earth is a by-product of fission of uranium-235 in nuclear reactors and is extracted from nuclear fuel rods. On Earth, technetium occurs naturally only in uranium ores as a product of spontaneous fission; the quantities are infinitesimal but have been measured.

Até amanhã



Oh Não. Outra vez o cão ...

Portugal cada vez mais seguro.

"Durante cinco meses o grupo de assaltantes encapuzados pensou que fintava a Polícia por morar na Amadora e atacar na Margem Sul. Mas os dez crimes de roubo e sequestro que fizeram na zona de Almada puseram a PJ de Setúbal no terreno. Três elementos do grupo, de 16, 19 e 20 anos, acabaram por ser detidos na semana passada. A investigação vai continuar, já que haverá ainda membros do gang por apanhar."

Quando se fala em crime, gangs, surge sempre AMADORA. Felizmente sabemos que é mentira porque a deputada Ana Drago mora lá e ainda não se queixou. Como diz o Sr. ministro António Costa, os índices de criminalidade estão a descer e Portugal está cada vez mais seguro.

Fados tropicais

Pergunto-me onde estarão arquivados os inflamados discursos do Sr. Titta a propósito do aumento do IVA de 17 para 19% aquando do governo Cherne & Portas. E sobre o prometido controlo do défice orçamental por parte dessa mesma gente.

A actual e delirante onda crítica está quase ao nível da Guiné-Bissau, em que perante o desastre nacional, nada melhor que cada um tratar dos seus interessezinhos egoístas.

Citando J. Titta Maurício, (DD, 23-10-03), apud STRAUSS (s/l, s/d)
(…) um governo justo é aquele que governa no interesse de toda a comunidade.

Cá estaremos no final, para o avaliar.

Um dia a verdade verá a luz…

Já não há como escondê-lo. Este é um governo que segue os piores ensinamentos da cartilha do neo-socialismo: é um “faz-de-conta-que-afronta-os-interesses-instalados” que ataca por um lado para ceder ao primeiro confronto com o olhar desafiador do “monstro”! E se dúvidas houvessem, é ver como recuou no combate pela moralização das remunerações dos titulares de cargos políticos (questão com valor emblemático mas escassa relevância orçamental): quando os seus o afrontam garante-lhes a manutenção de incompreensíveis tenças apenas prometendo acabar com as dos vindouros. Espantosamente, ou talvez não, apenas afronta as remunerações dos titulares políticos eleitos, limitando-se a ameaças pífias de diminuição de férias para os Juízes.

Este governo já mostrou tudo aquilo para que vem. Por um lado, para garantir os réditos dos actuais subsídio-dependentes que controlam o “bloco-central dos interesses”. Por outro, para alargar o número dos dependentes da “cevadeira” do orçamento de Estado alimentado pelos contribuintes. Só assim se compreende a opção pelas neo-nacionalizações (de uma só vez, todos os contribuintes foram obrigados a comprar, mais de 20 milhões e através de uma empresa falida - a CP –, uma fábrica sem mercado – a Bombardier), ou que haja aumentado a taxa máxima de IVA em 2 % (diminuindo a capacidade exportadora de algumas das nossas empresas e dificultando a vida de todos) para obter um aumento de € 400 milhões na arrecadação de imposto... menos do que o aumento de despesa previsto no Orçamento de Estado rectificativo para o ministério da Educação e a gastar em remunerações por progressões na carreira (as mesmas que o Governo diz ter congelado... talvez no Inferno!).

Só neste âmbito se poderá compreender o objectivo do aumento do IVA. Em termos de eficácia no combate ao défice, o aumento de 2% na taxa máxima de IVA reduz o défice em... 0,28%! Mas todos iremos sentir nas carteiras esse aumento... e, por isso, as expectativas de todos numa melhoria da situação caíram por terra.

Este é um indício de que se tem a certeza quando consultamos os níveis de confiança dos consumidores. Que caíram a pique a partir do momento em que o Dr. Sampaio decidiu inovar as funções do PR num modelo semi-presidencialista, julgando-se competente para “impor condições” e “manter sob vigilância” um governo legítimo e que dispunha de uma maioria absoluta. Não só não podia como não devia: a agravação das condições macroeconómicas é da responsabilidade do Dr. Sampaio e do PS. Porque no momento do descalabro orçamental nada disse e nada fez. Porque, olhando à cor partidária, directa ou indirectamente impediu que a maioria de centro-direita pudesse governar: vetando opções políticas legítimas; atrapalhando propostas legislativas coerentes com o programa aprovado por maioria absoluta dos deputados; proferindo discursos de desafio ao Governo; negando o apoio institucional devido. Estas primeiras décadas do séc. XXI serão por algum tempo recordadas com a “Sampaiada”. São o exemplo da “parcialidade saloia” e do “portuguesismo parolo” que só existe nos adeptos de futebol: tudo vale desde que sejam os nossos a ganhar!

Se alguma coisa de útil se retirará desta tempos é que, ou muito me engano, ou o modelo actual do semi-presidencialismo morreu. As próximas presidenciais elegerão um PR que será o líder de uma facção: ou S. Bento permite que se governe a partir de Belém ou o PR, pelo exemplo da “Sampaiada”, sentir-se-á legitimado a interferir na governação ou a exercer os seus poderes contra S. Bento!

Um dia a verdade verá a luz... e a Democracia portuguesa vai ser acusada de culpas que não tem: o mau uso ou o abuso de competências que são atribuídas por vontade do Povo deveriam merecer mais ponderação. Quando um dia os portugueses perceberam como se manipulam as opiniões. Quando um dia perceberam que há algo que une e comanda muitos daqueles que aparentemente de tudo discordam, nesse dia os portugueses não sei o que farão: incrédulos, calar-se-ão... ou revoltar-se-ão ao sabor dos demagogos do costume, verdadeiros especialistas de enganos (que dirão tudo deve mudar... para que – eles bem o sabem – quase tudo fique na mesma)?


João Titta Maurício

0 800 do Hospício...

Esta corre na net:

TRIIIMM...TRIIIMM...TRIIIMM...

(Responde o atendedor de chamadas do Hospício):

- Obrigado por ter ligado para o Instituto de Saúde Mental, a companhia mais certa para seus momentos de maior loucura."
* Se você é obsessivo-compulsivo, aperte repetidamente o número 1.
* Se você é co-dependente, peça a alguém que aperte o número 2 por você.
* Se você tem múltipla personalidade, aperte 3,4,5 e 6.
* Se você é paranóico, nós sabemos quem é você, o que você faz e o que quer: espere em linha enquanto localizamos a sua chamada.
* Se você sofre de alucinações, aperte o 7 nesse telefone colorido gigante que você, e só você, vê à sua direita.
* Se você é esquizofrénico, escute cuidadosamente, e uma voz interior lhe indicará o número a pressionar.
* Se você é depressivo, não importa que número aperte: nada o vai tirar de sua lamentável situação

* Porém, se VOCÊ votou no Sócrates, não tem jeito: desligue e espere até 2009! Aqui atendemos LOUCOS e não IMBECIS! Obrigado!

quarta-feira, junho 29, 2005

Há coisas curiosas

O Prof. Cavaco Silva teceu declarações sobre o erro do ministro das finanças. Concordo com ele, mas se fosse outra pessoa a dizer o óbvio ninguém ligava. Ou seja, o erro não é grave, sob ponto de vista nenhum. Para mim o mais grave não é errar mas sim mentir. Todas as catástrofes humanas aconteceram porque alguém se recusou a admitir que era um asno. Já que tinha ido tão longe na asneira, prefere-se humanamente a coerência à lucidez. Campos e Cunha, já o disse, é um dos melhores - se não o melhor - economistas portugueses. O que as pessoas não sabem, e é curioso, é que ambos - o Prof. Cavaco e o Luís Campos e Cunha - foram meus professores. E isso, que interessa? Foram ambos professores na mesma faculdade - a de Economia da Universidade Nova de Lisboa. Campos e Cunha era o reitor, o que significa que o Prof. Cavaco era seu sub-alterno há três anos. Não há aqui significado escondido, além do facto dos jornalistas nunca se darem ao trabalho de descobrir estas coisas engraçadas. Depois não digam que não sou amigo. Escrevam Carvalhadas por baixo. Obrigado.

Os cães ladram mas a caravana passa


Dantes o problema era o diálogo excessivo, “para as sondagens”. Agora o problema é a “falta de diálogo”. Preso por ter cão e preso por não ter…

O Marques Mendes, em bicos de pés, rebéu-béu, como se o seu partido não tivesse grandes culpas no cartório.
O Jerónimo, ão-ão-ão. Como os detentores dos meios de produção agora deslocalizam, a função pública é a coutada ainda à mão de incendiar.
O Louçã, grrr-au-au-grrr, nervoso, aos saltinhos para ser visto.
O Ribeiro e Castro, pachorrento, woof…whoua, para se diferenciar do coro.

Há uma incrível irracionalidade nestas ensurdecedoras onomatopeias, só a pensar nos seus interesses próprios e imediatos e a alçar a perna para o interesse colectivo. Ainda se tivessem alternativas credíveis…

Até amanhã.

Trapalhadas.

"Alguns apoiantes ferrenhos do governo extinto dos doutores Lopes e Portas desenvolvem uma intensa indústria de caça às trapalhadas do governo actual, para mostrarem não só que há duplicidade nos media – evidência das evidências – mas também similitudes na governação de baixa qualidade. Terminam sempre com ar vingativo: e então o sr. Presidente a estes não dissolve? Para além do masoquismo inerente ao exercício, mostra uma forma muito particular de ressentimento.

Esta enumeração das trapalhadas é uma pura distracção que nunca levará o governo Sócrates a conhecer o mesmo destino do de Santana Lopes, pela simples razão que há uma diferença abissal que separa os dois. O de Sócrates tem uma forte legitimidade eleitoral, formal e real, e não a perdeu, pelo contrário a reforçou, com as medidas de política que tomou. E, por muitas voltas que se dê, erros, peripécias, asneiras, distracções, mesmo quando semelhantes, não vão dar ao mesmo resultado porque não têm a mesma dimensão nem são vistas pelas pessoas isentas como sendo da mesma natureza."


Abrupto

JPP prevê uma longa caminhada do PSD pelo deserto e começa a acertar agulhas? Ou o PSD já o "despediu"? Não é preciso ser "apoiante ferrenho do governo extinto dos doutores Lopes e Portas" para se verificar que as trapalhadas deste governo ultrapassam as de Santana. Desde o "golpe de estado mediático que teve a cumplicidade do Sr. Presidente da República" até à encenação mediática do défice que teve a cumplicidade de Constâncio, o Robinóquio Sócrates tudo tem feito para enganar o país. Não fosse o tratamento mediático de excepção e outro galo cantaria.

Igualdade

"O Ministro da Saúde considerou que o aumento da idade da reforma dos enfermeiros, principal argumento dos sindicatos para a greve nacional de hoje, é uma questão de "igualdade" para com os outros trabalhadores. "

Igualdade é o povo poder-se reformar depois de 8 anos de trabalho. Isso sim é que é igualdade.

O Futuro da Defesa e as Forças Armadas

As ameaças à segurança e soberania dos estados não se jogam hoje em dia mais (pelo menos vulgarmente) nas tradicionais invasões e anexações de Estados por outros.

Nem nas mais recentes ameaças decorrentes da chamada "guerra-fria". As ameaças são hoje múltiplas e variáveis (terrorismo internacional, partilha de recursos, economia, fluxos migratórios, etc.), e para isso um Estado terá que ter uma capacidade militar num misto de tradição e inovação, sem dispensar naturalmente a boa interacção nas alianças defensivas e nas comunidades "políticas".

Terá que manter um patamar ofensivo que se constitua como minimamente dissuasório, e simultaneamente com uma capacidade de Defesa (doutrinas defensivas) que garantam a soberania e a integridade das fronteiras, as principalmente da Segurança.

Portugal não tem uma coisa nem outra, e daí que quaisquer negociações futuras entre os 2 vizinhos ibéricos resvale inevitavelmente para uma conversa de boas vontades, numa perspectiva de dominado/dominador.

O actual Conceito Estratégico de Defesa Nacional é difuso, pobre e pouco prático, e o mais trágico, é que perante tão grande rol de generalidades, nem sequer a actual LPM o poderá corporizar.

A LPM pode e deve ser revista a tempo determinados pela própria Lei. Mas isso significa que as verbas para o seu cumprimento sejam reafectadas a determinados programas, ou ao cancelamento de uns e sua substituição por outros, adequação no tempo a outros, etc.

Concordo sobre a urgência dos programas para os blindados de rodas e para a arma ligeira, para além da rápida vinda dos P-3 holandeses.

Mas não chega: Ao nível da Marinha oceânica o quadro é absolutamente confrangedor, com 3 Fragatas da classe Vasco da Gama com 15 anos (e cujo up-grade parece nem sequer ser prioritário para o actual CEMA), e a previsivel vinda de 2 Perry com mais de 25 anos. Se verbas para outras plataformas não há, para já, não custaria dinheiro ir estabelecendo planos de oprecionaização e financeiros para um horizonte de 10/15 anos.

Ora o que se configura para esse horizonte é uma espécie de reedição do "zero naval", tristemente célebre nos anos 20 e 30 portugueses.

Não bastam os NPO's nem o NavPol, ou os dois submarinos, cuja compra hipotecou por décadas a capacidade financeira para enriquecer a frota de superfície.

Capacidade de navios de superfície, AAW e ASW recentes e com capacidades que nos coloquem ao nível dos outros parceiros da Aliança e no quadro de uma União Europeia em construção, são igualmente necessários.

O que acontece é que actualmente a tendência será para deixar de cumpri-la, simplesmente.

A aunuciada suspensão por um ano dos programas dos blindados de rodas, e das fragatas da Classe O.H. Perry, para além da suspensão do programa MLU da segunda esquadra de caças F-16 vem dar a exacta medida do que espera o país e as FA's para os próximos tempos:

Mais do mesmo.

As palavras do Ministro da Defesa em Estremoz, no Dia das Forças Armadas, a 25 de Junho, foram elucidativas:

A Defesa da nossa soberania está em perigo devido à crise financeira e económica, mas em simultâneo disse nas entre-linhas, sem se atrever a dizê-lo com todas as letras, que estando afectada, ou no seu entender em perigo a soberania nacional, o melhor seria desinvestir ainda mais na Defesa.

O MDN conseguiu encontrar a quadratura do círculo.

Não dá jeito agora!!!!

"É uma urgência?" Do outro lado da linha, a voz feminina dá o código. Sim, é uma urgência, repete quem telefona. "Então tem de vir à consulta primeiro, falar com a doutora." À hora aprazada, a porta de um consultório do centro da capital abre-se para dar a ver instalações recentes, topo de gama, e uma recepcionista que, como qualquer recepcionista de qualquer consultório, solicita número de beneficiário da Segurança Social, morada e telefone para preenchimento da ficha, aconselhando a paciente a, enquanto espera pela vez, beber muita água. "É por causa da eco", explica. .A "eco" é a ecografia, o momento em que o carácter fictício desta "urgência" será desmascarado. Até lá, seguem-se com afinco as indicações. Trinta minutos e vários copos de água depois, a médica, de olhar direito e aperto de mão a condizer, inicia a consulta. Começa por perguntar há quanto tempo não vem o período, faz as contas. "11 semanas... Está um bocadinho adiantada... Tem filhos?" À negativa, ergue as sobrancelhas. "E não dá jeito agora, um bebé, não é? Que pena." Sorri. "Eu percebo, às vezes é assim."

Extracto do DN de 27 Junho (Sociedade)

Projecto de lei.

"Um assaltante entrou, anteontem às 18h30, na ourivesaria Moderna, em Almada, armado com uma caçadeira e na disposição de roubar o ouro. As suas intenções saíram frustradas pela acção destemida de um funcionário da ourivesaria, que com um bloco de metal atingiu o larápio nas costas, obrigando-o a fugir sem levar nada."

O Bloco de Esquerda já está a ponderar apresentar um projecto de lei para impedir acções de legítima defesa por parte dos assaltados. Segundo o BE, os assaltantes têm direitos e espectativas que não devem ser defraudadas.

Rebuçado

"O secretário-geral do PS defendeu hoje a convocação de um novo referendo sobre o aborto «para breve», argumentando que já passaram sete anos sobre o primeiro, e que a consulta ao Tratado Constitucional europeu foi adiada."

Sai um rebuçado para os descontentes.

Azar.

"A Associação das Famílias de Testemunhas de Jeová manifestou hoje desacordo com o parecer que indica que cabe aos médicos decidir transfusões de sangue no caso de menores, mas salientou o respeito pela lei. "
Se eles fossem islâmicos nunca teria havido este parecer. Assim ...

Impunidade.

"O relator especial da ONU contra a Tortura, Manfred Nowak, denunciou hoje em Viena que existem "muitos indícios" de que os Estados Unidos utilizam navios de guerra como campos secretos de prisioneiros para presumíveis terroristas. No entanto, Nowak reconheceu que até agora a ONU não teve "a possibilidade de verificar ou não estas suspeitas"

Não teve a possibilidade de verificar mas afirma. Felizmente a impunidade reina.

Curiosidades

"Em 24 anos, cerca de 550 mil pessoas foram mortas por armas de fogo no Brasil, revelou ontem um estudo feito pela Unesco. O Brasil lidera assim esta lista negra, registando um número bastante mais elevado de mortes do que as ocorridas na sequência do conflito israelo-palestiniano que, entre 1979 e 2003, vitimou 125 mil pessoas."


Embora Israel "preocupe" mais o mundo.

Politiquices.

"Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Pedro Silva Pereira e das Finanças, Luís Campos e Cunha assinaram em conjunto uma portaria que autoriza o aluguer de uma viatura durante quatro anos para utilização do Executivo, com custos que ascendem a mais de 75 mil euros (ou, seja, 15 mil contos em moeda antiga)."

Claro que não podemos comentar livremente situações como esta sem sermos acusados de politiqueiros. Afinal são gastos sem importância.

Só ameaça.

"O autarca Santana Lopes adiantou ainda que autarquia pondera interpor uma acção ao Estado português devido à suspensão das obras, intenção já anunciada no final do ano passado por Carmona Rodrigues, na altura presidente. A autarquia vai "pedir ao Estado, para não dizer a um cidadão que é agora candidato, o ressarcimento pelos prejuízos causados a Lisboa à autarquia e aos seus munícipes", sublinhou.

Santana Lopes referia-se ao advogado José Sá Fernandes, que interpôs a providência cautelar, que levou à suspensão das obras, e que é agora candidato à autarquia pelo Bloco de Esquerda. "Uma pessoa pode pôr uma acção em tribunal, mas causar muito prejuízos com ela. Se for provado que não tem razão, tem de ter alguma responsabilidade pelo que fez, por isso é natural que peçamos ressarcimento", adiantou. "Há direito de regresso, como se chama em direito, e nós iremos seguramente exercê-lo", rematou
."


Gostaríamos de ver isso.

terça-feira, junho 28, 2005

Wrestling armoricano

Na sua cruzada pessoal contra expressões ocas, o famoso bardo gaulês elegeu como alvo principal o "politicamente correcto". Porém, até ao momento, com pouco sucesso, conforme se pode ver na imagem, e verificar aqui.

Espécie rara.


Foi encontrada uma nova espécie de cavalo-marinho. Trata-se de uma espécie rara que habita no Ribatejo. O nosso reporter Zé Míope teve a sorte de encontrar e fotografar um exemplar que se preparava para o banho matinal.

Num futuro próximo, está prevista a adaptação do cavalo-marinho ribatejano como meio de transporte de uma nova classe profissional que se dedicará a postoriar os touros de lide em terrenos inundados. Essa classe será o Rãpino, uma adaptação do tradicional campino ao traje de homem-rã.

Aos branqueadores de serviço.

"Em Carcavelos também não foi registado qualquer roubo, a polícia soltou rapidamente os poucos jovens presos, por falta de provas, e o alarido em torno dos supostos 500 assaltantes apenas durou uma semana. Envergonhada, a polícia teve que reconhecer que não eram 500 mas 50 ou 40, e que não havia provas de que tivesse havido uma acção organizada de gangues. E, na sexta-feira, um jornal de Lisboa afirmava com todas as letras que nem 500 nem 50: não houve assaltantes, não houve pura e simplesmente assalto nenhum. O arrastão da praia de Carcavelos não existiu."

Heliana Bibas e Luís Leiria

Presidente e Vice-presidente da Casa do Brasil
Como dizem e muito bem o Presidente e Vice-presidente da Casa do Brasil, como não foi registado qualquer roubo, não foi detido ninguém por roubo. Os dois rapazes e uma rapariga que foram detidos ficaram indiciados por agressões e resistência à polícia. Depois de ouvidos pelo juiz foram libertados e estavam obrigados a apresentar-se todas as semanas na esquadra da PSP. A rapariga era brasileira e foi acusada de tentar agredir um polícia com uma garrafa partida.

Da refrega entre os bandos e a polícia regista-se um polícia com um braço partido por uma garrafa de litro de cerveja.

De acordo com a polícia “houve dois grupos, de 20 ou 30 elementos cada, que planearam aquilo. Os outros foram atrás.” Os jovens vieram de Vialonga, da Zona J, Bairros 6 de Maio, Cova da Moura, Serra da Mina, Damaia, Zambujal, Mercês, Monte Abraão, Alto da Loba e Marianas.
"Mas, então, porque se fala tanto de arrastões no Brasil? A primeira acção, que inaugurou o termo “arrastão”, ocorreu em 1992, em vésperas de eleições. “Eram uns 30 ou 40 homens, desarmados, inaugurando um tipo de terror que não chegou a fazer vítimas nem danos consideráveis. O ando não tinha intenções de roubar, apenas assustar e aparecer na TV ali postada”, lembra Cony. O objectivo? Criar um clima de insegurança tal que prejudicasse a então candidata ao governo do Rio de Janeiro que liderava as sondagens: Benedita da Silva, mulher, negra e favelada. Conseguiram: a então candidata do PT caiu de 37% para 17%. E não foi eleita.Mais tarde, houve outros ensaios de arrastão, sempre em esperas de eleições. Quando não são manipulações eleitorais, os mal chamados arrastões poder ser também conflitos entre jovens dos bairros pores da zona norte do Rio de Janeiro que assustam a classe média da zona sul."
Não há arrastões no Brasil? No passado dia 7 de Maio durante uma festa musical, organizada no Playcenter, de São Paulo, dezenas de jovens foram literalmente ‘despojados’ de telemóveis, camisas, casacos e outros haveres, roubados por um bando de assaltantes, muitos dos quais menores. Segundo a descrição das vítimas, os assaltantes eram um número superior às três dezenas. Cercaram o parque, onde se realizava a festa, e abordavam as vítimas à saída. A confusão começou pelas 22h00 e prolongou-se pela madrugada fora. Às 05h00, ainda havia gente a ser roubada, sem que a polícia tivesse aparecido. por cada vítima que aparecia, os assaltantes caíam-lhe em cima e gritavam “tá dominado, tá dominado”, após o que lhe roubavam tudo quanto possuísse de valioso. Apesar da inércia e demora em reagir, as autoridades ainda conseguiram deter 12 suspeitos, dos quais seis menores.

Num outro caso, este na praia, o jornal ‘Folha de São Paulo’ relata um ‘arrastão’ iniciado perto do Condomínio Alfabarra que, reunindo cerca de 60 assaltantes, “levou tudo o que conseguiu, de chinelos, a telemóveis e bicicletas”. O tumulto terminou cerca de um quilómetro à frente, com os assaltantes a dispersar perto de um centro comercial. A Polícia Marítima conseguiu capturar cerca de 40 dos participantes neste ‘arrastão’, dos quais 13 eram menores de idade.

A situação chegou a um ponto que, durante uma acção de promoção do Brasil em França, os responsáveis pela acção lamentaram que a imagem do país só passasse na televisão francesa pelos jogos de futebol ou pelos ‘arrastões’ na praia. Como exemplo, ainda no início deste ano, centenas de turistas, a grande maioria dos quais estrangeiros desatou a fugir da Praia do Leme (Rio de Janeiro), deixando as coisas para trás, depois de ouvir barulho de tiros, receando tratar-se de um “arrastão” nessa praia. Não era. Tratava-se de um confronto na favela do morro mais próximo, tendo a Polícia erguido uma barreira de contenção.

29 Setembro 2004

“Um cinegrafista amador flagrou cenas do cotidiano carioca: dezenas de garotos maltrapilhos - ou como disse o Chico Pinheiro no Jornal da Globo, um "enxame" (sic!) de trombadinhas - assaltando quem se aventurasse pelas areias do Leblon, ou Lebronx, para os íntimos...
Agora que filmaram, vão fazer um puta auê, inquéritos, declarações bombásticas, reforço policial, donas de casa indignadas pedindo pena de morte, engravatados exigindo tanques nos morros, entrevistas com sociólogos, "que absurdo, assim os turistas desistem de vez do Brasil...", blá, blá, blá... O melhor do jornalismo 'pout-pourri' vai rechear jornais, revistas, rádios e TVs a partir de hoje. Será tema do Fantástico e capa da Veja, alguém duvida? E lá vamos nós de novo!
Pois é, pessoal, o que vai ser repetido ad infinitum agora é a situação normal de redistribuição de renda na marra: quem tem, tem; quem não tem, toma!”

Ler aqui.

10 de Fevereiro de 2002

Um grupo de pelo menos 20 bandidos promoveu, por volta das 4h00 deste domingo, um arrastão na avenida Olavo Fontoura, próxima ao setor 3 do Anhembi, zona norte da capital paulista. No local, acontece o segundo dia de desfiles das escolas de samba do grupo especial de São Paulo.
Segundo a PM e a Guarda Municipal paulista, que montaram um posto especial dentro do Anhembi para estes dias de desfiles, os 20 criminosos estavam armados de paus, pedras e estiletes. Bolsas, carteiras, relógios, celulares, pochetes, dinheiro, e jóias foram roubados de muitas pessoas. Seis das vítimas já prestaram depoimento junto à polícia. Segundo a Guarda Municipal, uma senhora teria sido atingida na cabeça por um pedaço de pau e está com suspeita de traumatismo craniano. Dos pelo menos 20 “trombadinhas” que aproveitaram a aglomeração de pessoas do lado de fora do sambódromo para agir, seis já foram presos.
Por volta das 22h, outro grupo, de cinco bandidos, já havia sido preso pelos guardas municipais nas proximidades do setor 5, onde se localiza a sala de imprensa. Este grupo, fingindo estar armado com revólveres, intimidava as vítimas e roubava todo tipo de pertence. A ação foi descoberta e os cinco acabaram detidos. Vítimas, testemunhas e criminosos foram levados para o plantão do 13º Distrito Policial, no bairro da Casa Verde, também na zona norte, onde serão ouvidos pelo delegado.

Ler mais aqui e aqui.

Só eles sabem porque ainda votam no BE.

"Depois do ‘arrastão’ na praia de Carcavelos, e da tentativa registada na Quarteira, 25 por cento dos portugueses admitem que vão reduzir as idas à praia – é o que demonstra uma sondagem da Aximage para o Correio da Manhã. Quando chega a hora de indicar responsáveis pelos ‘arrastões’, os portugueses apontam o dedo, em primeiro lugar, aos africanos e, em segundo, a exclusão social. São os votantes do Bloco de Esquerda que mais responsabilizam os africanos. Os residentes no Litoral e os mais instruídos são dois dos grupos que atribuem a culpa dos roubos aos africanos – e é igualmente nos meios urbanos que essa responsabilização atinge maiores valores. "

Os votantes do Bloco de Esquerda lá sabem porque continuam a votar nesse partido. No mínimo são masoquistas e adoram ser assaltados. Há que respeitar.

P.S. Convinha era um deles dizer à Ana Drago que já não acreditam nela. Poupavam-na àquelas figuras tristes.

A partilha de recursos entre Portugal e Espanha

A noção que eu tenho de toda esta problemática da relações luso-espanholas no que concerna a partilha de recursos naturais, é que elas têm decorrido formalmente de acordo com as regras do Direito Internacional, e de acordo com um patamar de respeito mútuo entre os estados.

Mas mercê do posicionamento geográfico dos dois vizinhos peninsulares, circunstâncias da História, e que não é imputável a ninguém leve a que recorrentemente a Espanha coloque Portugal perante os chamados factos consumados.

Como exemplo meramente ilustrativo da questão, a maior fonte de água para a Área Metropolitana de Lisboa vem do Zêzere (albufeira da barragem do Castelo do Bode) e até do Alviela, mas desde os anos 70 que existe uma boa e importante fonte de captação de águas de superfície no Tejo, junto do Cartaxo.

Mas o problema não está no maior aproveitamento dos recursos naturais portugueses e na racionalização dos seus gastos, porque é óbvio que em anos de seca (e não só) isto deve ser feito, até por motivos ambientais.

O que se passa é a extrema dependência da boa vontade espanhola em anos de crise climatérica grave, como o é agora.

A gestão das águas dos rios internacionais foi colocada entre os 2 países aquando do megalómano projecto dos transvases de água, o que se tivesse sido levado para diante prejudicaria grandemente os caudais dos rios ibéricos, nomeadamente o Douro, Tejo e até o Guadiana.

Colocaria mesmo em causa a viabilidade da albufeira do Guadiana, caso a pretensão espanhola de desviar o pouco caudal do Guadiana para o Guadalquibir se concretizasse.

As negociações que se seguiram levaram a que se assinasse um convénio entre os 2 países para que se estabelecessem quotas de caudal, embora com cláusulas que em caso de crise prejudicam gravemente Portugal (como é o caso deste ano).

Quanto às centrais nucleares e à sua localização, não creio que a sua localização esteja à margem do Direito Internacional e regulamentos de áreas de segurança, mas não creio que Espanha construísse a sua central no Tejo, a montante de Madrid ou Toledo, e pelo contrário, construiram-na bem a jusante, perto da fronteira com Portugal.

O projectado depósito de resíduos, em Aldea d'Ávila perto da fronteira portuguesa, junto do Douro, poderia ou não ser instalada em muitas das montanhas entre Madrid e Burgos?

Questões que levam a que a Espanha legalmente actue, mas que configuram casos de má fé, já que em caso de catástrofe, acidente ou alterações climatéricas graves, não será a Espanha a primeira prejudicada, mas sim Portugal.

Porque é que os esgotos residuais de Mérida e de Badajós não são convenientemente tratados à saída dessas cidades, entrando o Guadiana em Portugal com qualidade de água muito questionável?

Será que a montante desses rios, as cidades espanholas não tratam os resíduos industriais e domésticos?

Por isso, julgo que dada a posição dos dois países e o estado dependência portuguesa face às condições atmosféricas, condicionalismos naturais e boas vontades de Espanha leva a que Portugal seja extremamente vulnerável, face ao que se passa.

O relacionamento entre dois estados de dimensões económicas, populacionais e geográficas deve basear-se no respeito mútuo genuíno, e não em imposição de factos consumados que depois sirvam de patamar de negociação, numa relação de forte/fraco, mas sim em pé de igualdade.E para isso, Portugal terá que ser mais respeitado, no quadro peninsular e no quadro da UE.Para isso, Portugal terá que ter uma política externa credibilizada por meios que lhe permitam sustentar as suas posições negociais.

E se Portugal quiser encetar negociações com vista a coisas mais favoráveis, ou conta com a filantropia castelhana, ou teria que credibilizar a sua politica externa com outros meios de que não dispõe actualmente.

Ora qualquer reivindicação vital para um Estado deve ser sustentada por uma força económica e militar que a credibilize.

Como geográficamente Portugal está em desvantagem, terá que encontrar um patamar mínimo que equalize essa desvantagem, não podendo mais negociar coisas vitais para a sua segurança, numa posição de "dominado", perante o "dominador".

Porque as coisas não têm que ser assim, determinadas por força "divina", mas sim porque os homens nunca se terão importado muito com esses aspectos.

Julgo que esta é uma atitude que terá que mudar.

Ou então não valerá de nada.

segunda-feira, junho 27, 2005

Onde pára o estado do sítio deste sítio?

Ao que parece, ouvi novamente imprecações de toda ordem, da parte de alguns humanos, perto do local da minha toca.

Como uma toupeira mais ou menos decente, não vou dizer as palavras, porque são do mais vernáculo vocabulário, não conveniente, mas ao que parece atendível, segundo o meu avô toupeira.

Os insultos atingiam os dirigentes actuais deste sítio e eram devidos a coisa de somenos, segundo o homem encarregado da contabilidade do país, desculpando-se que era feito a meio do ano. Ao que parece, um merceeiro com lápis atrás da orelha e uma folhas de papel de embrulho, faria melhor, tal a falta de cuidados e de competência desta gente. Mas o mais grave, é que depois de ouvir vociferar o chefe deles acera de um embuste, parece que a emenda foi pior que o soneto, ou seja, quanto ao orçamento rectificativo, não rima, não tem graça e ainda por cima faltam versos e tercetos ou quartetos, não se sabe...

Será de bom tom, perguntar, se desta vez não precisaram do governador do local, onde os humanos deste sítio pensam que lhes guardam o ouro, e dos acólitos da comissão com o nome dele, porque a trapalhada é grande, e não sei se desta vez arredondaram às centenas...

Portanto, quem pode ter confiança nestas contas e nas anteriores, e no cálculo do défice?

Por outro lado, não se sabe se existe Presidente da República, ou até se existe ainda República ou Estado, porque considerou o merceeiro, digo, o humano das contas, que era coisa sem importância, que eram quadros que nem eram obrigatórios, esquecendo de dizer, que os camelos e os ursos deste sítio, são cada vez mais ursos e camelos.

Não será caso para demitir esta gente, todos eles, oposição incluída?!!!

Não será caso para os chamar ao Ministério Público, para serem ouvidos com um rol de acusações, como o MP gosta de fazer, desde gestão danosa, branqueamento de capitais, burla, nepotismo e tráfico de influências, e estar a ouvi-los durante a noite inteira, e no fim, deixá-los sair com termo de identidade e residência...

Mas, e se fossem expatriados para bem longe? Podiam levar com eles os rapazes do arrastão, para aprenderam uns com os outros, com os simpatizantes e amigos.

Tudo isto ouvi, e o meu avô, que passou por muitas coisas, disse em surdina:
...ainda vai chegar ao recolher obrigatório e ao estado de sítio...

EXTRA! EXTRA! A ECONOMIA NEOCLÁSSICA MORREU.

The Chinese Challenge

Published: June 27, 2005

(...)

Until now, the Chinese have mainly invested in U.S. government bonds. But bonds yield neither a high rate of return nor control over how the money is spent. The only reason for China to acquire lots of U.S. bonds is for protection against currency speculators - and at this point China's reserves of dollars are so large that a speculative attack on the dollar looks far more likely than a speculative attack on the yuan.

So it was predictable that, sooner or later, the Chinese would stop buying so many dollar bonds. Either they would stop buying American I.O.U.'s altogether, causing a plunge in the dollar, or they would stop being satisfied with the role of passive financiers, and demand the power that comes with ownership. And we should be relieved that at least for now the Chinese aren't dumping their dollars; they're using them to buy American companies.

Yet there are two reasons that Chinese investment in America seems different from Japanese investment 15 years ago.

One difference is that, judging from early indications, the Chinese won't squander their money as badly as the Japanese did.

The Japanese, back in the day, tended to go for prestige investments - Rockefeller Center, movie studios - that transferred lots of money to the American sellers, but never generated much return for the buyers. The result was, in effect, a subsidy to the United States.

(...)
Pelo homem que eu considerava, até ler isto, o melhor economista actual.

A Economia Neoclássica deixou cair o pano. Agora é só um cadáver bolorento. Ao ataque.

Barnabada

O R.I.P. de uma esquerda anunciada.

A manipulação, a inexactidão no tratamento do chamado “arrastão” tem vindo a ser analisada à luz de novas informações. O próprio Comando Metropolitano da PSP de Lisboa veio afinal, sete dias depois, reduzir o número dos assaltantes para menos de 10 por cento do número anteriormente anunciado. Cito “De um grande grupo de 400 ou 500 pessoas só 30 ou 40 praticaram ilícitos”. E disse mais – volto a citar: “Muitos jovens que apareceram nas imagens televisivas e fotográficas a correr na praia de Carcavelos naquele dia não eram assaltantes, mas tão só jovens que fugiam com os seus próprios haveres”. Foram apresentadas apenas duas queixas. Na Assembleia Municipal de Lisboa, António Tavares, eleito pelo PSD contou o relato do seu filho que estava na praia: não houve arrastão, houve talvez furtos, mas o que aconteceu foi uma fuga de jovens de uma carga policial indiscriminada.”

Extracto de comunicado do Bloco de Esquerda acerca dos recentes acontecimentos em Carcavelos

Quanto ao que se passa, de facto parece haver cada vez mais extremistas e racistas em ambos os lados da barricada.

E um pequeno partido constituído por “bem pensantes politicamente correctos e intelectualmente superiores as comuns mortais portugueses que diáriamente sofrem na pele ou no espírito o elevado grau de insegurança que vai grassando nas áreas urbanas e suburbanas de Lisboa, e que mercê da sua superioridade intelectual, comete esse tipo de “pecadilhos” de cartilha libertária.

Por mim não consideraria que este aumento da criminalidade de rua, com gangs de negros jovens seja um fenómeno racista.

Não se trata de uma luta de pretos contra brancos, já que muitos dos assaltados nos comboios e na praias ou nas ruas são também pretos. Lembram-se do polícia Felisberto, negro e morador na Cova da Moura, assassinado há 3 anos na Damaia?

Viram as imagens de uma jovem africana a chorar, a embarcar numa ambulância após o chamado “arrastão” de Carcavelos?

O que se passa é a falta de capacidade do Estado em integrar os jovens, através de sistemas de educação exclusivos e não inclusivos, com sistemas de segurança social deficientes, e finalmente às Câmaras Municipais da grande Lisboa, que criam autênticos guettos sub-urbanos sem condições e proliferação de bairros da lata (falta de um bom ordenamento territorial), em que os sistemas de apoio social em vez de serem do Estado, são entregues à boa vontade e voluntarismo de ONG's e organizações de bairro.

O que a comunidade africana em Portugal deveria fazer sem mais delongas era dar o exemplo e castigar os que na sua comunidade (poucos) estão a manchar a imagem de toda a comunidade africana (muitos deles já cá nascidos).

Seria a essa comunidade que competiria dar o primeiro passo, e mostrar que pretos e brancos estão juntos contra a criminalidade que não tem côr.

Quanto às afirmações do BE, este acaba por dar razão e argumentos aos extremistas brancos, ao afirmar que se trata de fenómenos racistas, e colocando-se ostensivamente a um dos lados do conflito, não querendo ver que se trata de um fenómeno de falta de segurança, mais que de racismos ou outras coisas.

E o mais grave:

A cavar um fosso cada vez mais intransponível entre o BE e a sociedade urbana (fonte maior do seu eleitorado tradicional).

Coletes especiais.

"Desde as zero horas de hoje que todos os condutores são obrigados a possuir coletes rectro-reflectores nas suas viaturas, mas a forma como devem ser utilizados está a gerar dúvidas."

Trata-se de coletes especiais utilizáveis apenas por gays. Nós preferimos os coletes normais: simplesmente reflectores.

Terrorismo politicamente correcto.

"Num acampamento destinados aos jovens, o Bloco de Esquerda tem no menu um workshop, no mínimo, original. Chama-se «técnicas de desobidiência civil». A ideia é ensinar aos mais novos o «básico» para puderem estar preparados para o futuro. Sobretudo, para as futuras manifestações que a comunidade estudantil promete para os próximos tempos. Os jovens do Bloco de Esquerda reúnem-se no próximo mês de Julho. O nome «técnico» deste workshop está incluído num programa «artístico».

José Soeiro do Bloco de Esquerda explicou ao PortugalDiário que esta actividade «consiste basicamente em ensinar as técnicas de desobediência civil». Aprender a fazer «boicotes», «ocupação de espaços públicos», «como se comportar numa manifestação» e «como resistir a uma agressão policial» serão alguns dos temas abordados. E necessários para os dias de contestação que correm. A desobediência civil é «uma forma de luta utilizada desde o tempo de Ghandi», diz José Soeiro, e recorda que em Portugal tem sido utilizada pelos jovens universitários, nomeadamente «no combate às propinas, quando os estudantes invadiram vários senados nas universidades».

Segundo os manuais dedicados ao assunto, «a desobediência civil corresponde a uma tradição de violação não violenta e pública da lei, concebida para chamar a atenção para leis ou políticas injustas». Este tema está incluído nos «workshops artísticos» que integram o acampamento do Bloco, e é já o segundo ano em que o curso é ministrado. Na senda da irreverência característica do Bloco de Esquerda, um workshop em desobediência civil é «obrigatório» para ingressar nas fileiras da contestação."

Mais aqui.
Não há dúvidas que o nosso país é democrático. As manifestações de Skins são proibidas mas Workshops do Bloco de Esquerda aonde se ensinam as técnicas de desobediência civil são permitidos. Ou seja: o Bloco de Esquerda abriu uma escola de terrorismo politicamente correcta. Não há dúvidas. Uns mais iguais que outros.

A verdade da mentira.

"Com o comunicado publicado ontem no CM, em que considera “erradas” as informações veiculadas pela Comunicação Social sobre o ‘arrastão’ na praia de Carcavelos e critica a CP por causa das imagens de um assalto num comboio da Linha de Sintra passadas na SIC, o Alto Comissário provocou a indignação do PSD e CDS, partidos que admitem pedir a presença do padre Vaz Pinto na Comissão Parlamentar de Direitos, Liberdades e Garantias. O padre Vaz Pinto diz que o comunicado “é uma tentativa para que os casos na Comunicação Social sejam devidamente tratados”, mas PSD e CDS não fazem essa leitura. “Constata-se que a Presidência do Conselho de Ministros andou a dormir 11 dias e acordou agora para dar um raspanete à Comunicação Social”, disse ontem ao CM o Comandante Azevedo Soares, membro da Comissão Política do PSD. Para o dirigente social-democrata, a leitura política a retirar do comunicado só pode levar a pensar que “isto é uma brincadeira”, até porque “a ideia é desvalorizar os factos” e parece que “esta entidade governamental não quer que se conheçam os factos no País”. Dado que o conteúdo do comunicado “é grave”, o PSD, segundo Azevedo Soares, “vai chamar o Alto Comissário à Comissão Parlamentar de Liberdades e Garantias, para explicar o motivo do comunicado e porquê agora”.
Se havia dúvidas que este país está cheio de hipocrisia agora elas dissiparam-se. Então os jornalistas são que são os culpados dos crimes? Porque é que os responsáveis políticos querem branquear a criminalidade neste país? Pois é. Não convêm irritar os empresários acabando com a exploração dos imigrantes. Afinal quem financia os partidos?

A "surpreendente" esquerda europeia.

Afinal quem financia o terrorismo iraquiano? Imagine-se. A politicamente correcta esquerda europeia. E por apenas 10 Euros.

Leia mais aqui e aqui.

Dizendo mal não dizendo.

"Não contem connosco para dizer mal dos adversários, apesar de não faltarem motivos", começou por dizer o ex-presidente da câmara de Lisboa João Soares, embora enumerando em seguida os "motivos" - desde "promessas por cumprir" e "demagogia" a "clubes na primeira divisão do abandono" e "empresas municipais deficitárias, por reestruturar, enxameadas de tachos e amigalhaços políticos". "Ao olharmos para Sintra, o que cada um se lembra do presidente da câmara? Eu só me lembro de uma coisa: comentador televisivo", declarou Jorge Coelho, perante os cerca de 700 militantes e vários dirigentes do PS presentes no almoço de apresentação da candidatura de João Soares, numa escola de Rio de Mouro. "Foi para isso que o elegeram? Não. Fazemos-lhe um grande favor ao tirar-lhe este peso imenso do trabalho que tem na câmara e criar condições para ser comentador televisivo por inteiro, que é isso que gosta de fazer", completou, defendendo que "o segundo maior concelho do país precisa de pessoas que se dediquem de alma e coração, com trabalho de manhã à noite".

Jorge Coelho criticou Fernando Seara por, a propósito dos assaltos na linha de comboios de Sintra, não ter tido "uma única palavra junto do Governo ou publicamente, a fazer pressões" e argumentou que há duas alternativas em Outubro próximo: a continuação da "conversa", da "pasmaceira", e "de nada a ser feito como aconteceu nos últimos três anos e meio", ou a "mudança", com o PS. Também João Soares sustentou que nas próximas autárquicas "os eleitores vão ter que escolher entre o «show off» mediático, o comentário televisivo de futebol, o cansaço de quem não sonhou, e não sonha, com as responsabilidades autárquicas" e a "experiência", a "coragem e determinação" da candidatura socialista. "
Nem mais. Não contamos com eles para dizerem mal dos outros. Mais. Nem eles conseguiam fazer isso. Definitivamente só contamos com eles para nos governarem bem.

Anedotas judiciais.

"O Tribunal de Faro decretou a prisão preventiva para sete dos 15 homens portugueses e estrangeiros, detidos quinta-feira em Faro, suspeitos de pertencerem a uma rede internacional de tráfico de droga desmantelada durante a passada semana. Os restantes oito homens ficaram sujeitos a outras medidas de coacção, nomeadamente a obrigação de se apresentarem periodicamente ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Faro, para regularizarem a sua situação no País. O grupo estava também fortemente armado, tendo a Polícia apreendido quatro metralhadoras Kalashnikov, uma dezena de granadas, dois revólveres e munições. "

Ora aí está uma medida sensata. Obrigar os criminosos (imigrantes ilegais) a apresentarem-se no SEF e não na polícia. Presume que esta medida venha premiar o facto de eles estarem fortemente armados (metralhadoras Kalashnikov, uma dezena de granadas). Não é para todos.

Mais. Apostamos que eles vão dar uma bofeta de luva branca à justiça e não vão fugir. Ou não fossem eles criminosos educados.

Mais Texas.

"Os feridos, de 17 e 18 anos, ambos de etnia africana, residem em Queluz, Sintra, e as autoridades policiais acreditam que os mesmos foram clientes da discoteca ‘Luanda’, durante a madrugada de sábado para domingo. Os feridos, de 17 e 18 anos, ambos de etnia africana, residem em Queluz, Sintra, e as autoridades policiais acreditam que os mesmos foram clientes da discoteca ‘Luanda’, durante a madrugada de sábado para domingo."

Essa discoteca abriu e as noites do Alcântara Mar acabaram. A pouco e pouco vai-se deixar de poder andar livremente em Portugal.

Texas.

"Na pacata aldeia do Carvalhal, no concelho de Grândola, vivia-se ontem um ambiente de medo perante a ameaça do regresso de um grupo de vinte habitantes da Costa de Caparica que, na véspera, agrediu Sandro Nunes, 19 anos , trabalhador da construção civil, com pontapés e paus na cabeça, até o deixarem em estado de coma. “Isto foi uma autêntica caça ao homem. Começaram numa ponta da avenida e foram agredindo quem lhes aparecia. Só descansaram quando encontraram quem procuravam”, afirmou outro amigo de Sandro.Os agressores, segundo os populares, vinham armados com pistolas, facas e paus. Um grupo de oito indivíduos encontrou Sandro no café Estrela do Oceano, na Avenida 18 de Dezembro, e arrancaram-no da mesa. Arrastaram-no até à rua, onde os restantes elementos do grupo esperavam. Começaram as agressões. A vítima esteve durante uma hora e meia a receber tratamento no local, poer uma equipa de emergência médica, até ser transportado de helicóptero para Almada"


Presume-se uma visita de Sampaio à Costa da Caparica brevemente.

Orçamento da verdade.

"O primeiro-ministro e secretário-geral do PS, José Sócrates, defendeu sábado ao fim da noite (ler aqui) que o Orçamento Rectificativo (OR), elaborado pelo ministro das Finanças, Campos e Cunha, é um “Orçamento de verdade e trasparência”, pondo fim ao que classificou como “um monumental embuste” que, na sua opinião, era o Orçamento de Estado (OE) para 2005. Durante a apresentação do candidato socialista à Câmara de Castelo Branco, Joaquim Mourão, o primeiro-ministro defendeu que com o OR “os portugueses ficam a saber a verdade sobre as contas públicas”.
O Ministério das Finanças esteve este domingo a reavaliar os números inscritos no Orçamento Rectificativo (OR) entregue na Assembleia da República na passada sexta-feira, noticia esta segunda-feira o Diário Económico. O Diário Económico refere que o desencontro nas contas ascende a, pelo menos, meio ponto percentual, o que equivale a 700 milhões de euros. O jornal avança com a possibilidade de um erro na consolidação das contas. Ainda segundo o jornal, o Executivo liderado por José Sócrates não terá outra opção que não entregar uma rectificação ao documento apresentado no Parlamento."

Foi Sócrates quem afirmou ser este o Orçamento em que "os portugueses ficam a saber a verdade sobre as contas públicas". Pelos vistos a verdade tem de ser rectificada. Quem diria?

Progresso.

"Um estudo elaborado pelo Observatório Permanente da Justiça revela que a dificuldade na aplicação da lei em casos de crimes cometidos por menores de 16 anos leva a que apenas 15 por cento dos delitos sejam julgados e que só a um em cada dez destes jovens é aplicada uma medida de reinserção."

CM

15 por cento? Tanto??!!! Pensávamos que era menos. Trata-se de um grande progresso.

Assaltante hipocondríaco.

"O Departamento de Investigação Criminal de Leiria da Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de um homem suspeito de pelo menos 12 assaltos a farmácias no Ribatejo."

Trata-se de um assaltante hipocondríaco.

Sem comentários.

"Um jovem de 20 anos morreu, ontem, na sequência de uma colisão do seu automóvel com uma avioneta que se preparava para aterrar no aeródromo de Paramos, em Espinho. O acidente aconteceu cerca das 20.45 horas e provocou, ainda, ferimentos graves no piloto do pequeno avião. As condições de segurança no Aeródromo da Costa Verde são questionadas há vários anos. Recorde-se que a pista é atravessada por uma estrada que liga ao chamado bairro piscatório, junto à praia de Paramos."

O regresso da censura.

"O Alto Comissário para a Imigração e Minorias Étnicas apresentou ontem uma queixa na Procuradoria-Geral da República. O objectivo é, segundo o padre Vaz Pinto, “saber como é possível passar na televisão filmagens que são secretas e não pertencem à Comunicação Social, mas à CP e à Polícia (aparelhos de vigilância dos comboios). Foram também pedidos ao Comando-Geral da PSP, para que sejam prestados esclarecimentos sobre o ‘arrastão’, e à Alta Autoridade para a Comunicação Social. Vaz Pinto considera que é preciso assegurar “a definição de um código de conduta para o tratamento da informação sobre a imigração e minorias étnicas em notícias que possam ser altamente lesivas da honra e da tranquilidade das pessoas”.

A pouco e pouco os órgãos de comunicação social vão sendo proibidos de noticiar crimes praticados por imigrantes. Depois da brilhante ideia do PCP fechar sites incomodativos, temos agora outro exemplo da censura politicamente correcta. Pobre país.

Lá e cá.

"A polícia espanhola tem identificados 500 membros pertencentes a gangs latinos. São recrutados em liceus. Dois terços integram os Latin Kings. Os restantes dividem-se entre os Ñetas e pequenos grupos. Os mais perigosos estão controlados. Para combater estes gangs, foi criado um grupo especial: os Centauros."
Em Espanha criam-se grupos especiais para combater os gangs. Por cá criam-se partidos políticos para combater a polícia e defender os gangs.

Tantos?

"Estou aqui, sou heterossexual, a homofobia é uma vergonha." A frase ilustrava ontem um dos muitos cartazes reivindicativos da sexta edição da Marcha Nacional de Orgulho lésbico, gay, bissexual e transgénero de Lisboa, que reuniu cerca de 400 pessoas que desceram a Avenida da Liberdade até ao Rossio. Este ano, a iniciativa ficou marcada pela presença de algumas personalidades heterossexuais. Entre elas, Rui Zink, Inês Pedrosa, Gabriela Moita e Augusto Seabra, que reiteraram o seu apoio à legalização do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo - medida que já está em aprovação em Espanha e que foi o grande objectivo político da manifestação. Sílvia "é heterossexual perfeitamente assumida", e decidiu participar na marcha por considerar que "qualquer tipo de discriminação é baseada na ignorância" e que só iniciativas como esta "alertam as pessoas para a realidade". A luta por uma "sociedade inclusiva" foi o que levou a psicóloga Gabriela Moita a juntar-se à manifestação. Quando questionada sobre a adopção de crianças por casais homossexuais, a psicóloga afirmou ao DN não encontrar "nenhum impedimento" e explicou ainda que o que a preocupa " é o bem estar das crianças"

Mas ontem um pouco por toda a Europa, milhares de pessoas manifestaram-se contra a discriminação e lutaram por direitos iguais entre pessoas do mesmo sexo. Pelas ruas de Paris, desfilaram mais de 700 mil pessoas, em Berlim, na Alemanha, a marcha reuniu 400 mil e, em Atenas, estiveram apenas 400 pessoas
".

400 pessoas, a maioria heterossexual!!! Não há duvida. A manifestação foi um “êxito”. Já agora: o que é uma heterossexual perfeitamente assumida? Como se pode defender o bem-estar das crianças nas adopções homossexuais sabendo como a sociedade é? É por demais evidente a desonestidade intelectual desta gente.

domingo, junho 26, 2005

Falta de voluntários.

"Um cão, transportando um colete com explosivos, causou hoje a deflagração de uma bomba à passagem de uma viatura da polícia iraquiana a leste de Kirkuk, ferindo um dos agentes. "A bomba, colocada no cão, - que estava à beira da estrada e não se podia mover por estar atado -, explodiu à passagem do veículo no bairro de Dakuk, pelas 08:05 locais (05:05 em Lisboa), causando um ferido", informou o coronel Adel Zine Al Abidine, da polícia de Kirkuk, uma cidade a 250 quilómetros a norte de Bagdad. "

A falta de voluntários recorrerem aos animais.

Ao mundo ao contrário do BE.

"O Bloco de Esquerda (BE) fez ontem a Assembleia da República regressar ao tema do "arrastão" da praia de Carcavelos para criticar a "manipulação, inexactidão no tratamento" noticioso do acontecimento. Baseando-se no relatório do Comando da Polícia de Segurança Pública de Lisboa e no testemunho de um filho de um membro da Assembleia Municipal de Lisboa, que obrigavam a uma "análise à luz de novas informações", a deputada Ana Drago afirmou que "não houve "arrastão", houve talvez furtos, mas o que aconteceu foi uma fuga de jovens de uma carga policial indiscriminada". Antes disso tinha já citado o relatório policial para sublinhar que o número de assaltantes era bem mais escasso: "De um grande grupo de 400 ou 500 pessoas só 30 ou 40 praticaram ilícitos. Muitos jovens que apareceram nas imagens televisivas e fotográficas a correr na praia naquele dia não eram assaltantes, mas tão-só jovens que fugiam com os seus próprios haveres."

Afinal não houve nada em Carcavelos. Só 30 a 40 jovens roubaram banhistas mas isso para o Bloco de Esquerda não é crime, nem devia se noticiado.A culpa é da polícia que apareceu lá a treinar. É impressionante como eles conseguem inverter os acontecimentos. Esqueceu-se de comentar o que passa nos comboios da linha de Sintra. Parece que aí não testemunhos de filhos de membros da Assembleia Municipal de Lisboa ou filhas de cronistas.

Assim vai o nosso Portugal.

"As populações das Quatro Estradas e das localidades vizinhas, no concelho de Loulé, estão a atingir o desespero, face à onda de assaltos ali registada, com a ocorrência, segundo testemunhos de populares, de “vários casos diários. Os assaltos “têm aumentado de frequência e ocorrem tanto de dia como de noite. Os gatunos levam tudo aquilo a que conseguem deitar a mão e em casas que não estão habitadas chegam a arrancar os alumínios das paredes e levam torneiras, portas, maquinaria diversa, microondas, televisões, telemóveis, roupas e tudo a que podem deitar a mão, até galinhas...”As pessoas dizem “sentir muito medo”, até porque ali perto, em Vale Judeu, ocorreu recentemente um roubo em que a vítima foi atingida a tiro. Nem dois militares da GNR que vivem na zona escaparam à onda de assaltos, com a curiosidade de, na casa de um deles, um dos ladrões aproveitar o assalto para... trocar de roupa: deixou a sua indumentária e vestiu a do filho do guarda."

sábado, junho 25, 2005

Diamond.

The mineral diamond is a crystalline form of carbon. Diamonds are renowned for their superlative physical qualities, especially their hardness and their dispersion of white light into a rainbow of colors, known in the trade as fire, for which they have been highly prized throughout history. Industrially, diamonds are ideal material for cutting and grinding tools — common applications include the cutting surfaces of saw blades and drill bits. The De Beers Group has been the largest player in the diamond industry for over one hundred years. The company owns mines that produce some 40 percent of annual world diamond production, and controls distribution channels handling nearly two thirds of all gem diamonds. Some controversy over diamonds has been generated because of the monopolistic practices historically employed by De Beers including strict control of supply and alleged price manipulation, as well as the practice by some African revolutionary groups of selling conflict diamonds in order to fund their often violent activities.

AFINAL ,HAVERÁ VIDA PARA ALÉM DA MORTE?

..
..
"VASCO GONÇALVES, EUGÉNIO DE ANDRADE E ALVARO CUNHAL DEIXA- RAM-NOS MAIS POBRES, EM APENAS ALGUMAS HORAS, ESTES 3 VULTOS DO NOSSO PASSADO RECENTE..."
in "Público" 15MAI05
.
-C.est la bagarre!!, gritou o Arcanjo Gabriel, nesse dia de serviço à Porta D'Almas.
-Oh Pedro, chega aqui fazes o favor.

São Pedro (nick name de Pedro o pescador), interrompendo um sono ruidoso, que ainda ia no começo, apareceu despenteado, e com um cheiro a búfalo que tresandava.

-Oh Gabriel, pô, não te disse que queria descansar.

Junto à cancela, três alminhas em fila de pirilau, gesticulavam furiosamente com o Anjo.

-Oh Chefe, suplicou o Anjo, estes cromos que acabam de chegar , negam-se a assinar a ficha de entrada, dizem que não acreditam nisto, e querem falar com quem manda aqui.

-Então quem são vocês para não quererem prenncher os formulários?, zangou-se São Pedro.

-Cunhal, Alvaro

-Eugénio

-Vasco, companheiro

responderam os 3.

-E então? insistiu a chefia.

-Para já, aqui o seu funcionário , que pelos visto não tem consciência de classe, está aqui a dizer-nos que esta birosca é o Check-point para decidir quem vai para o Céu, para o Inferno e para Purgatório. Ora nós não acreditamos em nenhum desses itens, portanto..., responde o Alvaro.

-E em Deus? provocou o chefão.

-Também não, camarada Pedro, e você que já é grandinho, já tem idadde para se deixar dessas fantasias, além de que está objectivamente a ser instrumentalizado pelos grandes grupos económicos . Abre os olhos companheiro.

Vasco avança irritado:
-Eu cá não acredito em nada disto, aliás eu e aqui o Alvaro fomos cremados, vocês não nos podem estar a vêr.

O Eugénio, absorto nos seus pensamentos, não estava "nem aí" para aquele conflito, aliás, ele acabou por sacar de um papel de requerimento, esquecido na secretária do Anjo-de-dia, e retirando subtilmente uma "esfero" da asa do dito, logo começou a escrevinhar um versito alusivo:
.
"Cá por mim não acredito em nada do que diz este chato a morte para mim é o fim a este anjolas ,ainda o mato"
.
-Não nos desviemos do essencial, retomou o Alvaro, de dedo em riste na direcção do alegado primeiro Papa:

-Oh camarada, já viu que não passa de um assalariado a quem é sacada uma monumental mais valia, eles falam , falam , e afinal quem dá a cara é o meu amigo. Quanto é que o Homem lhe paga?

Abre-se de súbito uma porta lateral, dando entrada a vários anjos, asas espetadas, mariconera na mão e a tocar pífaro,vêm para a mudança de turno e vão saudando São Pedro com algum cerimonial.



-Apresenta-se o Arcanjo Leilael.

-Apresenta-se o querubim Hariel.

São Pedro confere e nota:
-Mas falta um, falta um Anjo Serafim, então o Sitael não veio?

-Trocou o horário com o Gentil Nunes que está de baixa no Paraíso , disse a medo Hariel, e falando baixinho para si mesmo :"Também nunca aparece"

-Oh Alvaro, você parece ser o líder, é claro que há vida para além da morte, a prova é que vocês estão aqui.

Alvaro irrita-se e quase a gritar retruca:
-Olhe que não doutor, olhe que não!!!nós não estamos aqui, nós morremos "piriode".o que o camarada julga vêr, é afinal um "solipsismo partilhado", tipo holograma XPTO de última geração.

Nessa altura, o querubim Hariel lembra:
-Oh Chefe, cá para mim estes ateus e/ou agnósticos tem de ir pró curso básico de catequese, lembra-se do "Che"?, ele também se fartou de mandar vir, e hoje está recuperado para o sistema (até os américas se fartam de ganhar dólares com as t-shirts dele) e hoje, aguarda a promoção a "Potestade".

-Potestade? mas que é isso de Potestade?, grita furioso o Vasco.

-Santa ignorância, e foi você Primeiro Ministro, Potestade é uma Qualidade de Anjos, são os que guardam os caminhos que conduzem à Felicidade e ao Paraíso, enfim, uma espécie de sinaleiros vestidinhso com umas clâmides (tipo drag-queen) e dragonas douradas. O coordenador deles é o Camael, cujo nome significa "amanhã" e "força de Deus"

Houve-se então uma grande algazarra, passam no corredor algumas alminhas em processo de recuperação, já no 3º.nivel de catequese. À frente o Sartre salta ao eixo co o Ho-Shi-Min, logo seguido o Bertrand Russel, do Zé do Telhado, todos chasqueando das advertências da Madre Tereza de Calcutá, esta já em adiantado estado de Anja Serafina.

-Traidores, provoca o Alvaro, é a macieza das alcatifas que vos comprou.

Já de saco cheio, o primeiro Sumo Pontifice ralhou:

-Se vocês não querem escolher o Céu, inferno ou Purgatório, então vão todos pró Limbo., lixam-se por aquilo é humido e vão ficar todos torcidinhos como a Marrequinha do Monsanto. Enquadrados pelo "Reforço à Porta D.Almas", são levados da Sala em grande berraria.
Perdem-se nas brumas ao som de Van Gelis e da Internacional.

.
PS.
Há quem diga, que esta imagem vista de cima, não revelava niguém na sala a não ser o São Pedro e os Anjos. Será que não há mesmo vida para além da morte?

Surpresas Socráticas.

"O PCP acusou hoje o Governo de autoritarismo na forma como lidou com as greves realizadas esta semana pelos professores e considerou que "reina o afrontamento e a arrogância" do executivo no sector da Educação. "Reinou também o autoritarismo", insistiu, recuperando um documento enviado quinta-feira pela Direcção Regional de Educação do Alentejo aos conselhos directivos das escolas a pedir o número de professores que estavam em greve, e que já tinha sido divulgado pela FENPROF.

"No documento enviado pela Direcção Regional pedia-se aos conselhos directivos com urgência a lista dos grevistas. E que se a lista não fosse enviada os conselhos directivos ficariam sinalizados", afirmou Luísa Mesquita. Na resposta à intervenção da deputada comunista, o primeiro-ministro, José Sócrates, passou ao lado desta questão concreta, não fazendo qualquer referência ao documento enviado pela Direcção Regional de Educação do Alentejo, mas sublinhou que o "Governo tinha o dever de fazer tudo o que estava ao seu alcance" para não prejudicar a realização dos exames
. "

Portugal Diário

Esta forma de governar está a surpreender o próprio PS. As ideias Socráticas são “ligeiramente” mais de direita. O PCP até recorda a PIDE. Imagine-se.

Como?

"O jipe de Luís Filipe Menezes, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, foi assaltado anteontem enquanto o edil inaugurava algumas obras da Polis na freguesia de Afurada."

Eis um exemplo de que a política de Sócrates está no bom caminho. Ninguém deve ter mais direitos. Nem mesmo os políticos.

Imigração.

"Obedeciam a uma rígida disciplina interna e usavam armas de guerra (metralhadoras Kalashnikov e granadas). Três foram detidos em Espanha e mais 15 no Algarve, pela Polícia Judiciária (PJ) de Faro, que acredita ter desferido um “rude golpe” no tráfico de droga na região, com o desmantelamento, anteontem, desta “perigosa” organização internacional, a operar entre o Norte de África e a Europa.

Os 15 detidos no Algarve, alguns portugueses e a maioria imigrantes de Leste, foram presentes ontem à tarde ao Tribunal de Faro. Até ao fecho da edição ainda não eram conhecidas as medidas de coacção aplicadas
."

Depois não querem que os portugueses pensem mal da imigração.

PJ

"É a maior apreensão de cocaína do ano na Europa e a maior de sempre em Portugal. A Polícia Judiciária apanhou terça-feira 4200 quilos de ‘coca’ (avaliados em 147 milhões de euros) a dois perigosos traficantes colombianos, coligados a dois portugueses donos de empresas de transportes. A droga – vinda da Colômbia e que se destinava a vários países europeus – estava num armazém em Almeirim e os suspeitos foram surpreendidos quando iam ‘exportar’ 1500 quilos de cocaína para Espanha no fundo falso de um camião.

O ministro da Justiça foi ontem à PJ felicitar os investigadores envolvidos na operação. Alberto Costa negou ainda ter criticado a PJ quando afirmou, quarta-feira, que a verdadeira eficácia da instituição se avalia pelo número de condenações em julgamento e não pelas notícias sobre os processos em investigação
. "


O ainda ministro Alberto Costa teve de engolir uns sapos. Mas isso já o actual governo nos habituou. É pena o ministro não ser tão competente como os investigadores da PJ.

Estranha forma de amizade.

"A propósito desta investigação internacional sobre a actividade fraudulenta das redes romenas, já as autoridades policiais de Portugal – SEF, PJ e PSP – tinham concluído que todos os dias entram em Portugal dezenas de romenos sem visto de trabalho, dada a permissividade nas fronteiras europeias.

Muitos dos recém-chegados – transportados inicialmente até Espanha pelas redes – são “recrutados” em Portugal pelas organizações mafiosas de Leste, sendo as mulheres e as crianças encaminhadas para a mendicidade ou a prostituição e os adolescentes para o roubo
."

CM

Afinal é isto que defendem os "amigos" dos imigrantes (mendicidade, prostituição e roubo). Os que realmente se preocupam com a qualidade de vida de TODOS são racistas.

Pulseiras electrónicas.

"Um homem de 22 anos, que estava obrigado a permanecer na sua casa de Queluz com pulseira electrónica, foi detido pela PSP da Amadora sob a acusação de tráfico de droga. Outro jovem de 16 anos também foi detido. “Há cerca de dois meses que ele tinha pulseira electrónica. Durante este tempo, em conjunto com um jovem de 16 anos, recebia clientes em casa, a quem vendia droga”, disse fonte policial."

Já tínhamos falado na falácia das pulseiras. Eis mais um exemplo.

sexta-feira, junho 24, 2005

A cobra, a ratazana, os cães e os outros, ou uma conspirativa estória

Há dias assisti a uma situação que já contei como estória; em como um predador se pode transformar em presa, e em como um predador pode ficar confuso, e ter de decidir qual vai ser a presa, decerto tarefa fácil, ou difícil, conforme a experiência do predador.

O que me esqueci de contar na altura é que no momento estavam a assistir vários humanos, donos do sítio e foram interessantes as reacções dos mesmos.

Uma fémea humana, decerto com horror e nojo do réptil, gritava arrepiada que matassem a criatura, os machos presentes, com calma, enxotaram a cobra para sítio seguro, por gostarem menos de roedores do que de répteis, e lá terão as suas razões, coisa com a qual não concordo, atendendo à pouca defesa que tenho em relação àqueles répteis, a não ser usando as minhas garras bem afiadas, quando querem ousar entrar na minha toca.

A propósito de presas e predadores, parece que começou, num sítio dos humanos, segundo me disse um rato da cidade grande, uma luta surda, num local chamado e relacionado com uma medida do tempo dos humanos, que decerto, segundo a opinião do referido rato estará relacionada, com qualquer coisa que se serve fria, e se calhar será uma meada, com várias pontas... Parece que os humanos que descem por vezes aos subterrâneos voltaram a conspirar e, segundo ele, o que parece é...

Será que vão ter tórax com ar suficiente, para aparar os golpes de facas longas numa noite de vingança? Sinceramente arrepia de pensar só nas mandíbulas com dentes tão afiados e fortes de hienas de grupos diferentes, quando lutam pelo território e por presas, e espiríto de grupo não lhes faltam, como manhas e até coragem, dependendo do número, coisa de hienas, claro está...

É que, segundo alguns ratos sabidos, de um sítio de ratos, a estória pode vir a ter que ver, com coisas relacionadas com trocas que não foram efectuadas, ou não foram entregues a quem se esperava ser, e relacionadas com um líquido escuro, viscoso e mal cheiroso e com gases, ainda mais mal cheirosos e que parece terem o dom, de fazer andar coisas inanimadas e ainda mais, dar um brilho estranho, no olhar de certos humanos. E como a economia de escala é coisa em voga, matam-se vários coelhos com uma cajadada, desviando a atenção dos camelos e ursos, para aquilo que os cães adestrados querem.

Será que é? Tempo e paciência não me faltam, se não me incomodarem, até ver...

Semel malus, semper malus. Se quiserem : " cesteiro que faz um cesto faz um cento"...

Aos amplificadores de piquete...

...uma carta publicada hoje no DN.

A invenção do arrastão

O Brasil ocupou as manchetes dos principais meios de comunicação portugueses, na semana passada, e mais uma vez por motivos pouco recomendáveis. O pretexto foi o suposto “arrastão” da praia de Carcavelos.

“Portugal experimenta um crime vulgar noutras paragens, nomeadamente no Rio de Janeiro, mas inédito entre nós: cerca de 500 jovens invadiram a praia, agredindo e assaltando”, noticiavam as televisões no passado dia 10. Um jornal diário foi mais longe, atribuindo ao Presidente Lula a criação de uma Força Nacional de mil homens para “intervir em qualquer lugar do país”, “devido, fundamentalmente aos arrastões do Rio”. (11/6/05)

Ao preconceito contra o Brasil juntou-se, desta vez, a ignorância. A Força Nacional foi de acto criada, mas para combater o tráfico de drogas que reina em muitas favelas do Rio de Janeiro – e não para impedir roubos em praias. Na ânsia de reforçar a reportagem, o jornalista esqueceu-se de confirmar o facto.

Os factos pouco ou nada têm a ver com estas fantasias. Se considerarmos que um arrastão é uma acção organizada de assaltantes para roubar banhistas, então podemos afirmar, sem medo de errar, que nunca houve um arrastão nas praias do Rio de Janeiro ou de outro lugar no Brasil. Com isto não queremos dizer que não exista criminalidade no nosso país. Infelizmente há. Mas qualquer lugar é mais rentável para os assaltantes do que as praias. “O lucro do assalto praticado nas areias da zona sul (do Rio de Janeiro) em forma de arrastão é ridículo. Ninguém leva valores para a praia…”, observa o escritor Carlos Heitor Cony, num interessante artigo na Folha de S. Paulo de 4/10/04. “Qualquer lanchonete, ali pelo meio dia, oferece mais dinheiro e mercadorias.”

Mas, então, porque se ala tanto de arrastões no Brasil? A primeira acção, que inaugurou o termo “arrastão”, ocorreu em 1992, em vésperas de eleições. “Eram uns 30 ou 40 homens, desarmados, inaugurando um tipo de terror que não chegou a fazer vítimas nem danos consideráveis. O ando não tinha intenções de roubar, apenas assustar e aparecer na TV ali postada”, lembra Cony. O objectivo? Criar um clima de insegurança tal que prejudicasse a então candidata ao governo do Rio de Janeiro que liderava as sondagens: Benedita da Silva, mulher, negra e favelada. Conseguiram: a então candidata do PT caiu de 37% para 17%. E não foi eleita.
Mais tarde, houve outros ensaios de arrastão, sempre em esperas de eleições.

Quando não são manipulações eleitorais, os mal chamados arrastões poder ser também conflitos entre jovens dos bairros pores da zona norte do Rio de Janeiro que assustam a classe média da zona sul. Um artigo do jornalista e político Fernando Gaeira (FSP 13/9/99) parece uma descrição profética do “arrastão” de Carcavelos. “A cena é sempre a mesma. Centenas de jovens de calções, sandálias, sem camisa…correm de um lado para o outro, aos gritos, alguns empunhando toalhas molhadas. Brigam entre eles, mas ao correrem na areia vão pisando os banhistas, aterrorizando quem está perdido na azul contemplação do mar. Isto é arrastão? Quase nunca os dados vão parar na polícia. Ou porque não sumiu nada, ou porque sumiram sandália, bolsa de pano, um trocado para o sorvete – itens que não animam ninguém a encarar um distrito policial numa tarde de domingo.”

Em Carcavelos também não foi registado qualquer roubo, a polícia soltou rapidamente os poucos jovens presos, por falta de provas, e o alarido em torno dos supostos 500 assaltantes apenas durou uma semana. Envergonhada, a polícia teve que reconhecer que não eram 500 mas 50 ou 40, e que não havia provas de que tivesse havido uma acção organizada de gangues. E, na sexta-feira, um jornal de Lisboa afirmava com todas as letras que nem 500 nem 50: não houve assaltantes, não houve pura e simplesmente assalto nenhum. O arrastão da praia de Carcavelos não existiu.

Mas o mal ficou feito. A inventona de Carcavelos deixou na população um sentimento generalizado de insegurança. Deixou a suspeita de que os focos de violência são os imigrantes negros ou os seus filhos. Meteu mais uma vez o nome do Brasil onde ele não é chamado. E projectou para o mundo uma péssima e infundada imagem de Portugal. Quem, a não ser a extrema-direita racista e xenófoba ganhou com isto?

Heliana Bibas e Luís Leiria
Presidente e Vice-presidente da Casa do Brasil

Protesto.

Segundo António Costa, a criminalidade nos comboios desce 33% e nós confirmamos. Com a política de redução de despesas, a CP suprimiu vários comboios. A redução é tão grande que os gangs são obrigados a assaltar os outros gangs para não ficarem em branco.

Essa situação já mereceu o protesto da Associação "Gang Feliz". Efectivamente em entrevista à cadeia AL-Jazira, Dáme Guito afirmou que esta situação (irmãos a assaltar irmãos) prejudicava seriamente a imagem dos gangs e agendou um conjunto de manifestações para o fim de Junho, intervalando com as manifestações políciais por motivos profissionais.

Segundo ele, os comboios só são frequentados por tesos que já foram assaltados várias vezes e só dão prejuízo. Prepõe o fecho da IC19 e a obrigação de transporte de ouros e quantias avultadas aos utentes da linha. Para não quebrar as espectativas dos políticos, estes terão descontos nos valores roubados.

Tiques estalinistas.

"O PCP exigiu hoje ao Governo explicações sobre a "inacção" em relação à existência e manutenção de sites "difusores de ideias racistas e xenófobas" na Internet, defendendo que "não pode haver tolerância" para com esses valores."

Portugal Diário
Os tiques estalinistas do PCP emergem de novo. A pretexto de acabar com o racismo e xenofobia na Internet preparam-se para silenciar vozes incómodas de certos Blogs. Como “ideias racistas e xenófobas” é tudo aquilo que não seja politicamente correcto, vai sobrar muito pouco ou nada. Presume-se que algum dirigente comunista tenha chegado de viajem de estudo à China.

ESPANHA CORTA ÁGUA A PORTUGAL

Como é do conhecimento geral, a Península Ibéria está a atravessar um período de seca severa por motivos da fraquíssima pluviosidade neste Inverno.

Esta situação (se exceptuarmos o ano excepcional de 2001), tem sido o de tendencialmente a seca ser cada vez mais endémica na bacia do Mediterrâneo, e a que Portugal, embora voltado ao Atlântico tem escapado.

E nos próximos anos, projecções têm revelado que essa tendência se poderá manter ou agravar.

3 dos principais rios portugueses (Tejo, Douro e Guadiana) nascem em Espanha e a seca no país vizinho reflecte-se na quantidade e qualidade da água que entra pela fronteira portuguesa.

Do Douro vêem as principais captações de água para o grande Porto, e do Tejo, uma das grande captações de superfície fornece água à Área Metropolitana de Lisboa.

Relativamente ao Guadiana, ele fornece a grande barragem do Alqueva, para rega e produção eléctrica, mas a qualidade e quantidade de água que entra em Portugal é cada vez menor.

Entre os dois países existe um convénio assinado, que regula a partilha da água nos rios internacionais.

Dada a fraca pluviosidade deste ano, uma das clausulas desse convénio estipula que se a pluviosidade descer abaixo dos 65% do normal, a Espanha pode reduzir o caudal a entrar em Portugal ou mesmo a cortá-lo em determinado rio, e por um período de tempo negociado entre os dois vizinhos.

Em contrapartida, Portugal poderá nesse caso, accionar outra cláusula desse convénio para pedir indeminizações compensatórias a Espanha.

Há duas semanas Madrid accionou a clausula que lhe dá o direito de cortar por período de tempo indeterminado o caudal do Douro até aos 10%.

Espera-se agora que mais cedo ou mais tarde o mesmo aconteça com o Tejo.

Em 2000, o caudal do Tejo foi cortado a 0% durante 12 dias.

Estará na calha um potencial conflito entre os dois vizinhos peninsulares a médio/longo prazo, por causa da partilha dos recursos naturais?

Estarão errados os que vão dizendo que um dia uma das principais motivações para os conflitos regionais será a partilha da água?

Á atenção do Bloco de Esquerda.

"Um homem de 22 anos de origem marroquina foi detido na quarta-feira à noite em Amesterdão, por suspeita de ligação ao grupo terrorista Hofstad, com base na Holanda. Segundo o ministro da Justiça holandês, Piet Hein Donner, a detenção do alegado terrorista está directamente ligada à prisão de um holandês pelas autoridades britânicas no mesmo dia, em Londres. O suspeito foi detido em Amesterdão num carro com duas mulheres - também elas alegadamente membros do Hofstad - na posse de uma metralhadora, munições e um silenciador."

Depois de ser assassinado o realizador Theo van Gogh, a Holanda decidiu apanhar os terroristas que por lá vagueiam. E bem armados (metralhadora). A situação demonstra aonde leva o excesso de tolerância e a exarcebação dos direitos dos imigrantes em detrimento dos nacionais. Um caso a estudar pelas nossas autoridades.

Já agora. Que tal enviar a malta do BE para repor a legalidade na Holanda?

Pobreza franciscana.

"Mas o debate de um tema considerado importante por todas as bancadas acabou por se transformar num verdadeiro festival de lavagem de roupa suja, ao estilo "eu fiz mal mas tu fizeste pior". De tal forma que na última intervenção, o ministro dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva, acabou a justificar a composição dos actuais gabinetes governamentais. "O senhor primeiro-ministro tem três secretárias pessoais. Comparado com outros primeiros-ministros, é de uma sobriedade franciscana". "

Os debates da Assembleia da República são de uma pobreza franciscana. Lava-se a roupa suja e já está. Numa época de crise justificam-se tantos deputados para isso?

Sondagens.

"A última sondagem do feito depois de o primeiro-ministro ter anunciado as medidas restritivas de combate ao défice de 6,83%, o PS cai dois pontos percentuais nas intenções de voto, enquanto o PSD desce na mesma proporção. O único partido que sobe é o PCP que passa de 7% para os 11% nas preferências dos portugueses."

Depois das últimas manifestações era impossível continuar com a falácia que o PS mantinha a mesma votação. Mas, curiosamente, o PSD também desceu. Enfim.

Moda.

Colecção de praia "Carcavelos 2005"

quinta-feira, junho 23, 2005

Dúvida.

"Há uma questão que me está a fazer uma certa confusão e ainda não achei uma resposta capaz :

Hitler defendia (em outras coisas) a superioridade da raça ariana, desprezando as demais, latinos como nós inclusive. O arquétipo dessa raça, era indivíduos brancos, altos e loiros.

Ora, a origem da raça ariana, povos indo-europeus, remonta a 5000 a.C. e vieram das margens do Mar Negro e existem descendentes de arianos desde a Europa do Norte até à Índia (onde a casta Ariana é a mais baixa e desprezada pelas demais) até ao Norte de África.

A raça ariana preconizada por Hitler, como superior tinha o direito de governar sobre todas as demais raças inferiores. Era uma questão de tempo até ficarmos debaixo da bota nazi, mais ou menos como estamos hoje subjugados aos interesses dos EUA, da UE e como quase estivemos debaixo da pata da URSS. Se seria melhor ou pior, nunca o saberemos.

Olhando para nós, Portugueses, loiros de olhos azuis e altos, seremos muito poucos (ou nenhuns) genuinamente de origem portuguesa. O nosso padrão é o moreno, cabelo, estatura mediana e olhos escuros.

Também me parece errado afirmar a existência de um povo Lusitano, quando esse termo servia para designar um conjunto de vários povos, aguerridas comunidades pastoris, que viviam algo isoladas umas das outras no território central onde hoje é Portugal e tb em Espanha.

Quem se diz Nacionalista e adopta como idolo Hitler e modelo politico a seguir o nazismo, acha que entra em contradição consigo mesmo. Adoptar simbolos nazis, parece-me ser anti-nacional.

Quantos saberão o significado da suástica, simbolo profusamente usado nas culturas hinduistas, que simboliza o sol e o centro do universo e deturpada por Hitler como simbolo do centro do seu mundo ariano, onde a rotação dessa suastica iria absorver (dominar) os demais paises em seu torno.

Devemos exaltar sobretudo os grandes vultos nacionalistas Portugueses, os nossos simbolos (bandeiras, escudos, brasões) e acima de tudo, a nossa História."

Recebido por email

Escorpião.

O Escorpião é um animal invertebrado artrópode (com patas formadas por vários segmentos) que pertence à ordem Scorpiones estando enquadrado na classe dos aracnídeos. O nome escorpião é derivado do latim scorpio/scorpiones. Existem registros científicos da existência dos escorpiões há mais de 400 milhões de anos. Segundo pesquisas, foram eles os primeiros artrópodes a conquistar o ambiente terrestre. Nesta adaptação, lhes foi muito útil a carapaça de quitina que compõe o seu exoesqueleto e que evita a evaporação excessiva. Atualmente já estão catalogadas cerca de 1600 espécies e subespécies distribuídas em 116 gêneros diferentes em todo o mundo. No Brasil, como em Portugal, o escorpião é conhecido em algumas regiões como lacraus.

Divulgue o seu blog!